A COLETIVA

A Coletiva Malva surgiu a partir do encontro de produtoras e curadoras de Belo Horizonte, integrando em sua composição a psicóloga Daniela Pimentel, a historiadora Letícia Souza, a comunicadora Mirela Persichini e a cientista social Rita Boechat. Essa parceria surge com o intuito de fomentar, não somente os trabalhos concebidos por mulheres, mas também pensar a construção e o pensamento audiovisual nacional pelo viés feminino. Nesse sentido, diversos são os produtos já realizados pela Coletiva, mostras, curadorias, produções e realizações cinematográficas.

 

NOSSA HISTÓRIA

Após longos anos de amizade, no ano de 2015, Letícia, Mirela e Rita se juntaram para compor a produção de mostras concebidas pela programação do cinema do SESC Palladium. Nesse mesmo ano, surge na cidade um movimento artístico/político de mulheres onde se somaram diversas coletivas e artistas independentes para compor a ação DiversAs: Feminismo, Arte e Resistência, que deu o pontapé inicial para a concretização da 1ª Mostra de Cinema Feminista de Belo Horizonte.

Em 2016, com a proposta de abertura de edital e curadoria para duas mostras a acontecer no mesmo ano, a parceria com Daniela se firma pela sintonia já firmada e afinidades cinematográficas e afetivas. Realizamos a segunda edição da mostra e estreamos, em parceria com a Virada Cultural de BH, a mostra Cine-Rua Feminista, essa voltada à vídeos e curtas metragens numa linha mais performática e experimental. No mesmo ano, iniciamos nossas parcerias com o projeto Zona Lamm (Laboratório de Artes Musicais para Mulheres) com a proposta de uma sessão de curtas metragens feitos por mulheres.

Consolidando na cidade as ações da Coletiva, em 2017, abrangemos nossas parcerias e realizações entre diversos setores e realizadoras. Dentre elas, realizamos a terceira edição da Mostra de Cinema Feminista, uma edição em menor escala dessa mesma mostra em Florianópolis, parcerias das Malvas com o  Projeto Cinema dos Quilombos no Quilombo Palmital, com o FAN (Festival de Arte Negra), com o MIS (Museu da Imagem e do Som) juntamente à Rede Feminista de Saúde e CRP (Conselho Regional de Psicologia), e além disso compomos a arte gráfica/animação, produção, still e apoio no longa metragem Lírios não Nascem da Lei de Fabiana Leite BH-MG.

Para 2018 abriremos o edital da 4ª Mostra de Cinema Feminista no dia 4 de setembro deste ano (fiquem atentas!) e muitas ideias em conjunto para sair do papel!

Sigamos juntas!

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.